Accueil 

* *
 
* *
Catalogue général
Le Bi-centenaire
L'Écossais
Perspective Ecossaise
Catalogue Metz 
Chaîne d'union
Lettre Iderm
L'Hyver.
**
2004 : bi.centenaire
Lyon
Toulouse
Bordeaux
Marseille       
Paris
Arras
Metz
Rouen
Clermont Ferrand
Antilles Guyane
 
2005 : laïcité
Paris
Montpellier
 
2008 : Convergences  
 
**
Internet
Répertoire de Sites
Site Bessel
 
**
Langue allemande
Langue anglaise
Langue espagnole
Langue italienne
 
**.
Francs-Maçons célèbres.
 
**.
.
 
.

Site traduit en :

Roumanie
Carte géographique et infos Italie drapeau pologne
Drapeau de la Norvège drapeau du Japon
Drapeau de l'Inde Arabe drapeau de la République populaire de Chine
>>>  AUTRE LANGUE ...

Geo Visitors Map

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Français

Espagnol 

Anglais

 Italien

Grec

Néerlandais

Allemand

Turc

Portugais

Hongrois

                                  

DECLARAÇÃO DE GENEBRA

                                                    

PREAMBULO

 

As diferentes jurisdições de altos graus Escoceses reunidas em Genebra de 5 a 8  de Maio de 2005, aquando do XVIIIº Encontro Escocês Internacional, consideram que surgiu o momento oportuno para assinalar uma nova fase, após a declaração efectuada en Lausanne há cento e trinta anos, no contexto maçónico internacional actual. Estas jurisdições têm contudo como Referência esse documento fundador, pois permite afirmar indubitavelmente hoje, a constância e a universalidade dos princípios maçónicos, então enunciados.

 

Em 1875, o mundo estava dominado essencialmente pela Europa. O século XIX estava impregnado pelo triunfo dos nacionalismos e pelo apogeu dos Estados Nações fechados em fronteiras ciosamente protegidas. Neste período, as ideias das Luzes, de universalismo, de humanismo e de progresso  tinham-se desenvolvido no continente, desencadeando-se em alguns países uma feroz oposição à modernidade social, política e religiosa.

 

Neste inicio do século XXI, o mundo mudou substancialmente. Aparece como que desprovido de sentido, isento de significado intelectual ou de orientação moral. As divisórias que constituíam as fronteiras nacionais de outrora, deram origem actualmente a novos conjuntos regionais e a uma globalização económica, a maior parte das vezes geradora de desigualdades em vez de fomentadora dum universalismo respeitador do Homem e do seu meio ambiente.

 

A dúvida, quiçá a suspeição, substituíram a esperança num mundo melhor. A tirania dum imediatismo omnipresente, retira-nos o recuamento necessário para compreender o passado e almejar o futuro. O regresso dos clericalismos, dos integrismos e dos fanatismos é gerador de incompreensão e de violência.

 

Maçons,  devemos nós no contexto actual, renunciar ao anteriormente alcançado pelos nossos antepassados e renunciar assim aos combates de hoje e às esperanças de amanhã ? Seria um erro incomensurável.

Assim, afigurou-se-nos como sendo do interesse das jurisdições signatárias da presente declaração, elaborar um documento de referência contemporâneo, testemunho duma nova época, que tenha por objectivo basilar uma acção conjunta no futuro.

                                             ______________________           

 

1.     As Jurisdições de Altos Graus Escoceses, reunidas nesta data, 7 de Maio de 6005, ao Zénite de Genebra, reafirmam solenemente e com ênfase, a sua plena e inteira adesão aos princípios fundamentais da Ordem.  Após terem deliberado no sentido da sua vocação contemporânea, do seu caracter especifico e do contexto no qual praticam a progressão Iniciática,  dois séculos após a criação do Rito no seio da linhagem da Maçonaria Universal, realçam hoje o respeito absoluto pela dignidade humana, assim como acolhem no seu seio qualquer Maçon de probidade reconhecida, sem discriminação nem distinção de caracter étnico, político, filosófico ou religioso.

2.     A sua tradição permanece fundada numa metodologia maçónica, que passa obrigatoriamente pelo simbolismo,  ensinado e vivido, não imposto mas sugerido. Este simbolismo, constituí uma linguagem comum propicia a uma reflexão sobre o devir humano. Esta reflexão, ultrapassando as diferentes divisões, as barreiras ideológicas, os postulados doutrinais, situa-se numa perspectiva ilimitada de investigação reflectida.

3.     O Rito Escocês Antigo e Aceite, é o Rito mais sobejamente praticado pelo mundo fora. Constitui uma corrente iniciática, tradicional e Universal, que compreende trinta altos graus. Está fundado na fraternidade, na justiça e no espírito de cavalaria.

4.     O Rito é administrado por jurisdições soberanas e independentes que exercem as suas competências sobre os graus posteriores à iniciação simbólica de mestre maçon. Através da sua prática, o Rito contribui igualmente à criação de elos entre as diferentes culturas e civilizações.

5.     O Rito acrescenta, à sua dimensão internacional, o universalismo dos seus princípios fundados num humanismo preocupado em colocar o ser humano no centro das suas reflexões e acções.

6.     O Rito, repudiando qualquer dogma ou ideologia constrangedora, afirma a necessidade da liberdade de consciência, única capaz de desenvolver uma livre espiritualidade acessível através duma constante procura da Verdade.

7.     O Rito tem por objectivo, através do seu princípio de aperfeiçoamento progressivo do Maçon, um trabalho de reflexão individual, através do método Iniciático, ao qual se acrescenta a vontade inquebrantável de trabalhar, no sentido do bem estar   da humanidade, adquirindo uma emancipação intelectual e moral.

 

 

(Seguem as assinaturas das 20 Jurisdições presentes em Genebra no XVIII° E.E.I.)